Dúvidas Frequentes

Implantes

Qual a finalidade dos implantes dentários?

  • Recuperar estética e função mastigatória;
  • Diminuir a sobrecarga em dentes remanescentes;
  • Frear a reabsorção óssea;
  • Preservação dental;
  • Melhorar a qualidade de vida e autoestima.

Quais são os fatores que contra indicam um implante dentário?

A principal contra indicação é a instalação de implantes dentários em crianças antes da fase final de crescimento. A quantidade óssea disponível pode indicar a necessidade de reabilitação com enxertos antes do implante, bem como outros fatores que de uma maneira geral, apenas contra indicam temporariamente ou diminuem a margem de sucesso.

Pode ocorrer rejeição com implantes?

Não, não existe rejeição dos implantes pelo organismo. Os implantes são feito de titânio e esse material é completamente inerte ao osso, ou seja, biocompatível. Isso quer dizer que o organismo não percebe o implante como um agressor e sim como o “próprio osso” e se integra a ele. A isso chamamos de osseointegração. O que pode ocorrer é uma falha nesta osseointegração geralmente devido a problemas na cirurgia, no pós-operatório, pela qualidade do osso, mas não por rejeição.

Pacientes que não tem osso podem receber implantes?

Podem, mas como já comentado, podemos precisar de um procedimento de regeneração óssea anterior à colocação do implante ou até em conjunto com a colocação do implante.

Dói colocar implantes?

Não, a colocação de implantes é indolor. A anestesia é local, exatamente a que se toma para fazer qualquer tratamento dentário. Com a técnica correta essa anestesia tem que ser completamente eficaz. O pós-operatório é tranqüilo, recomendando analgésico, antibiótico, anti-inflamatório e repouso.

Onde é realizada a cirurgia?

A cirurgia pode ser realizada no consultório com anestesia local. Também pode ser realizada nos hospitais parceiros da Facies sob anestesia local + sedação endovenosa ou anestesia geral.

Cirurgia Ortognática

Como saber se preciso da cirurgia ortognática?

A cirurgia ortognatia se destina a pessoas que apresentam um crescimento desigual entre a arcada superior e inferior, o que pode trazer inúmeras conseqüências negativas no seu dia a dia como: apnéia do sono, ronco, dormir de boca aberta, dores nas articulações da face e dores de cabeça, dificuldade de fechar a boca, além de desarmonias estéticas. Todas essas características podem ser um indicativo para a cirurgia.

Quais os benefícios da cirurgia ortognática?

  • Melhora a relação entre os dentes, músculos e esqueleto;
  • Melhor posicionamento da musculatura do pescoço e da base da língua;
  • Melhora da oclusão e da articulação temporomandibular;
  • Melhora da mastigação e da digestão;
  • Qualidade de vida e autoestima elevada.

Como é realizada a cirurgia?

A cirurgia é realizada em hospital sob anestesia geral, mas antes é realizado o preparo do paciente com todos os exames pré-operatórios necessários. O paciente é internado na manhã da cirurgia em jejum e dependendo da cirurgia o paciente recebe alta hospitalar à noite ou na manhã do dia seguinte. A cirurgia é realizada totalmente por dentro da boca, não deixando cicatriz na face.

Meu plano de saúde cobre?

De acordo com a Lei Federal 9656, Súmula Normativa Número 11 da Agência Nacional de Saúde Suplementar, TODOS os convênios médicos, plano de saúde ou cooperativas médicas devem cobrir a internação hospitalar e os materiais necessários para o procedimento. Os custos com a equipe são passíveis de reembolso total de acordo com o tipo de contrato com o plano de saúde (possibilidade de livre escolha).

O procedimento consiste em fazer o avanço da maxila e/ou recuo da mandíbula. Com a maxila e a mandíbula reposicionadas, é restabelecido um novo perfil ao paciente, promovendo a qualidade mastigatória e a estética facial.

O paciente que realiza a cirurgia ortognática passa por uma transformação física e mental, melhorando sua qualidade de vida e autoestima.

Qual a idade mínima para realizar a cirurgia?

O ideal é realizar a cirurgia após o término da fase final de crescimento. Nos homens, isso se dá pelos 18 ou 19 anos. Nas mulheres, por volta dos 16 ou 17 anos. Entretanto o tratamento das desarmonias de crescimento da face devem se iniciar o quanto antes na infância, o que pode evitar procedimentos mais invasivos no futuro.

Existe dor após a cirurgia?

A dor é uma reaçao normal do organismo a qualquer trauma, entretanto os avanços das técnicas cirúrgicas como a fixação do esqueleto da face com mini-placas e parafusos de titânio não permitindo micromovimentação dos ossos e os avanços farmacológicos permitem um controle excelente deste desconforto. Haverá um inchaço no rosto, também uma reação normal do organismo, porém a partir do 4º dia começa a diminuir, evoluindo ainda melhor com a utilização de técnicas de fisioterapia como drenagem linfática.

Quais são os cuidados pós cirúrgicos?

Dieta – Durante 30 dias o paciente poderá comer alimentos líquidos e pastosos não podendo mastigar nada sólido. Deverá alimentar-se de sucos, vitaminas, sopas, caldos e cremes.

Cuidados Físicos – Normalmente, nos primeiros 10 dias, o paciente fica somente em casa. Para que possa seguir os cuidados pós-operatórios recomendados. Praticamente, o seu único contato externo é com o seu cirurgião e com o fisioterapeuta. Após este período, é possível até freqüentar escola, pois o inchaço no rosto já diminuiu. Entretanto, durante os 30 primeiros dias após a cirurgia, o paciente não deve realizar nenhum esforço físico. Tampouco deve expor-se ao sol e manter-se afastado de esportes coletivos ou de riscos por 90 dias.

Onde é realizada a cirurgia?

Em ambiente hospitalar com anestesia geral. Além de oferecer mais segurança para o paciente, o hospital disponibiliza de todas as especialidades médicas, caso haja a necessidade delas.

Facebook

Get the Facebook Likebox Slider Pro for WordPress